9.2.12

artigo 01 Maceo Plex

É com o intuito de partilhar alguns dos meus gostos e tendências convosco que aceitei participar no blog BlackWhiteStyleMode. O conceito é simples, pela óptica vanguardista, manter-nos em constante actualização sobre o que de mais relevante acontece na dance scene, sejam lançamentos de produtos, partilha de set’s, e algumas biografias sobre Dj’s que irão visitar Portugal brevemente.


Como amante, utilizador e constante aprendiz do vasto mundo que é a música eletrónica, optei por aproveitar o primeiro post para introduzir um dos nomes a seguir durante 2012, Maceo Plex.



Hospedado nas profundezas de um ser mecânico e alienígena conhecido como Maetrik, encontra-se uma complexa teia sináptica, lembrando-nos sobre o que poderia ser chamado de alma. E esta alma que o conduz e manipula a cada movimento tem vindo a surgir regularmente.
O nascimento desta identidade é o resultado de uma necessidade humana de sentimentos, uma necessidade para procurar novas tendências, mais propriamente, o “space disco”.
Eric Estornel tem vindo a infectar o mundo com o seu feeling e funk explosivos, tendo-se mostrado bastante produtivo(!). Com obras deep e funky de engenharia sonora vanguardista, uma noite com o seu projecto Maceo Plex será uma daquelas com proporções galácticas.

A trabalhar numa loja de música desde 1990, Eric rapidamente se fascinou com o vinil e começou a criar os seus mixes, englobando techno e house, basicamente, os estilos que rapidamente ganhariam popularidade dentro da cultura rave dos anos 90.
Mas em 1997, fortemente influenciado pelos sons de outros teóricos do funk moderno, Eric começou aperfeiçoar-se, recorrendo a controladores de midi e teclados para formar suas primeiras composições musicais. Seduzido pelos sons techno e electro, Eric transformou-se num ser avançado tecnologicamente, mais tarde conhecido por vários nomes, tais como Mariel Ito e principalmente, Maetrik.

Em 2010, após muitos anos de trabalhos prolíficos em editoras como a Cocoon, Audiomatique, e Modern Love, Eric começou a retirar gradualmente a sua armadura robótica conhecida como Maetrik, a fim de expor um lado mais sexy e ‘groovístico’, envolvendo os seus instrumentais com poderosos vocais distorcidos, logo revolucionando a cena eletrónica.
A mudança profunda desviou Eric do complexo e obscuro modo de vida dos Estados Unidos, para a sua morada actual, em Valência. A atmosfera solarenga e descontraída, foi muito útil na sua longa viagem introspectiva, que é actualmente evidenciada pela sua música.







No final de 2010, surgiu o seu 1º grande hit do novo projecto, Maceo Plex, com o single "Vibe Your Love", lançado na editora Crosstown Rebels. No 1º trimestre de 2011 lançou o seu primeiro álbum intitulado "Life Index", que narra todo o percurso da mutação de Eric até à alma repleta de energia que é hoje.

Depois de escutado, o álbum vai deixar bem claro o nível de versatilidade e excentricidade presentes em Eric, tornando a sua linha musical em muito mais que house music.

Segundo Eric, os seus temas são de fácil compreensão – “são basicamente canções de amor, ao ritmo de um bom groove. Qualquer um que compreenda verdadeiramente a minha música, percebe que a inspiração essencial é a minha namorada, Christine, e a nossa vida relaxada aqui em Espanha”.

Portanto, o projecto Maceo Plex nasceu do seu amor e estilo de vida despreocupado, inspirado em romance e boa música, mas também nas tendências desenvolvidas juntamente com os seus companheiros da Crosstown (Damian Lazarus, Art Department e Jamie Lewis), todos centrando-se em prol de um ressurgimento de novas ideias sonoras.



Ainda em 2011, brindou-nos com algumas das que viriam a ser consideradas faixas do ano pelas mais conceituadas revistas e sites da cena eletrónica, Your Style, Can’t Leave You, Stay High Baby, e a estonteante Ain’t That Love. Estas últimas duas viram a luz do dia sob a alçada da sua editora, Ellum, de modo a estabelecer a essência e sonoridade da própria, que assenta sobre linhas dark, future, deep & sexy house.








Em 2012 está a dar continuidade ao fantástico trabalho produzido no ano passado, ao remisturar Laura Jones, Love in Me, moldando-a com a sua vibe visceral e toque acutilante. Durante a Primavera, irá lançar o seu 2º álbum de originais pela Crosstown Rebels, e acreditem, será algo especial.







Aconselho-vos então a passarem no Gare Club este Sábado, para uma deliciosa previsão do que será esse tão aguardado álbum.

Espera-nos uma noite de sedução americana com veia espanhola, house com sentimento e groove inconfundível pela mão do verdadeiro maestro do deep house, Eric Estornel, mais conhecido como Maetrik ou, no momento, como Maceo Plex. 

1 comentário:

  1. acredito que tenha sido uma grande noite, adorooo tudo o q é dele!

    ResponderEliminar